segunda-feira, 21 de julho de 2008

Crítica de Filme – Batman o cavaleiro das Trevas

*Franklin Maciel



Não tenho hábito de escrever sobre filmes, apesar da enorme influência que os mesmos tem em minha formação, mas não consegui resistir à escrever algumas linhas sobre o novo filme do Batman (Dark Knight) O cavaleiro das Trevas.



Como sei que muitos já escreveram e ainda escreverão sobre a parte técnica do filme com muito mais propriedade que eu, me permito dar minha opinião sobre a parte psicológica e sociológica do filme, na minha opinião, o grande acerto e diferencial deste filme, que o torna muito acima da média do que temos visto, principalmente em relação à filmes de herói cujos roteiros em geral são previsíveis.



Através do personagem do Coringa, “mediunicamente” incorporado no ator Heath Ledger, e todos os desdobramentos que suas ações desencadeiam nos demais personagens e em toda a sociedade de Gotham, trazendo a superfície o real caráter individual e coletivo de cada um, podemos observar até que ponto, a nossa sociedade vem sendo pervertida e submetida por uma ideologia dominante que impõe através de mecanismos de cultura de massa, manipulação da verdade, repressão e intimidação sua forma de ser e de existir, impondo massivamente sua verdade torta e única, a verdade do capital, onde qualquer outra forma de pensar e existir, já é fadada ao fracasso antes mesmo de ser tentada, e como essa “sociedade capital do possível” é frágil, desmoronando à qualquer contestação mais forte.



Estão lá todos os valores atuais que defendemos: o dinheiro, as posições sociais, a ética capitalista, os jogos de interesse, o individualismo, a mídia e o espetáculo, a família, a corrupção, às jurisprudências (Que o diga o Daniel Dantas e o Gilmar Mendes) que vivem sob uma dinâmica de funcionamento onde todo mundo tem um preço, do cada um por si, e que são surpreendidas por um louco (ou será um gênio excêntrico) para quem esses valores todos não tem valor algum.



Como corromper alguém que ateia fogo em uma montanha de dinheiro? Como parar alguém para o qual os nossos títulos, diplomas e distintivos não tem valor algum? Como aterrorizar alguém que não tem medo? O medo do desemprego, da desaprovação, da lei, do ridículo... O desrespeito explícito do Coringa à todas as nossas leis, normas, condutas e códigos que tantos quebram pela certeza da impunidade, mas fingem respeitar, coloca toda a sociedade num clima de incerteza e caos, e, no caos, o instinto coletivo de sobrevivência fala mais alto, onde o cidadão comum, abre mão de sua aura de civilizado e trai à tudo e a todos em nome da barbárie.



Isso fica claro diante da mudança de postura da população ante seus heróis, entregando-os de bandeja para se verem livres de um problema, tentando linchar um homem para defender um hospital, atendendo todos os caprichos do “louco” Coringa, afim de resolver, pelo menos momentaneamente seus problemas, delegando-os aos outros.



Esse comportamento de falta de comprometimento social e coletivo, numa radicalização do individualismo, é fruto de uma sociedade que estimula a competição (desleal ou não, o que importa é ganhar e quanto você tem no bolso), a propriedade e a exploração.



O mais engraçado disso tudo é que, justamente o fato de se isolar cada vez mais de suas raízes sociais e coletivas, abrindo mão daquilo que acreditam e que os faz humanos, aceitando o inaceitável apenas pelo receio de se expor e se submetendo à intimidação (afinal, que outro argumento justifica tantos e tantos governos de direita pseudo competentes manterem-se no poder senão o medo e a perseguição que impõem) é que torna as pessoas cada vez mais vulneráveis, pois a medida que se curvam às ameaças de leis e situações injustas, mais em mais essas mesmas leis e situações se aproximam do dia da qual não mais precisarão sequer da sua omissão, sendo elas próprias, o prato do dia, assim como o fizeram inicialmente com seus heróis.



E este dilema também persegue os heróis, que são sempre corroídos por dúvidas perante suas escolhas, se seria melhor desistir e se entregar a mediocridade comum) por intuírem que seus esforços serão inúteis e que o mundo, a contrário do dito popular, não é dos fortes, mas dos fracos corporativados, assim, o destino de todo Jesus, é sempre a cruz.



E é nessa dúvida, nessa encruzilhada muito bem resumida nas reflexões dos personagens de Harvey Dent e do Coringa: “Ou você morre herói ou vive o bastante para se tornar vilão” e “Os homens são tão bons quanto o mundo permite” que aqueles que se aventuram à negar o statu quo, terão de trilhar, abrindo mão de seu conforto, de suas condições e posições, e amiúde de uma ética institucionalizada em convenções e leis, para galgar a construção de uma sociedade onde todos possam ter oportunidades, mesmo que, ao final, este mesmos pelo qual dedicou a vida, sejam os primeiros à mandá-los à fogueira.



Por esses e outros, Batman – O cavaleiro das Trevas é imperdível, mas se você quiser somente ver explosões, perseguições alucinantes e efeitos especiais espetaculares, não tenha medo, seu ingresso também terá sido bem pago, afinal, como diria o Coringa: -“ Por que tão sério?”



Franklin Maciel

Um comentário:

thomaz disse...

Sr Franklin Maciel
Vossa atenção focou no ponto que certamente preocupa qualquer consciência que veja o filme.
Só ouso discordar do cliche "esquerda" "direita" que invocastes.
Deves saber que os governantes/ditadores de esquerda também são capitalistas e individualistas, tanto que as grandes empresas detentoras de grande capital estão preferindo se instalar nos países com os piores regimes esquerdistas.
Por isso acho que a visão de mundo dividida entre esquerda e direita não faz nenhum sentido, são ambos farinhas do mesmo saco, o saco do dinheiro.