terça-feira, 15 de julho de 2008

Latitudes do Escorpião

Joca Faria


Acabo de ler Latitudes do Escorpião de Edu Planchez mergulhei neste poeta e descobri neste livro outro homem talvez o homem Antonio Eduardo Planchez de Carvalho bem longe do louco visionário a imagem comum que temos deste ser humano..
Mostrou-nos o seu cotidiano suas riquezas e medos tornou-se um homem comum e isto fascinou me. Sou seu fã confesso.
Mas nesse livro se mostra outra pessoa preocupada com o cotidiano, filho, esposa a ex esposa , irmãos, pais e amigos...
Nada do velho Edu andergraud, mas um homem normal com todas as nossas dificuldades normais nos artistas ou falsos artistas? Vendemos uma imagem de gente feliz , verdadeiras cigarras mas não somos assim temos nossas dificuldades cotidianas, temos família, trabalho ou falta dele.
Para que serve a arte se ela não se retrata o mundo e sua época seu cotidiano. Meus caros o místico esta ai a todo instante em tudo. Não precisamos das roupas de mago e nem da varinha de condão e Edu desnuda este universo neste livro.
Falando-nos de sua infância da Vó fã de Getulio de seus irmãos no Rio de Janeiro e em São José dos Campos aprendi muito lendo este livro e descobri mistérios em nossa vidinha comum , hoje quero é ser normal. Chega de buscarmos ser super-heróis ?
De toda vã ilusão de sucesso e poder. Este livro reflete meu atual momento veio na hora certa é de grande ajuda ? Uma auto ajuda?
A boa literatura esta ai viva na voz de Edu Planchez e seus pecados e amores eu conheço o poeta e o ser humano...
Prefiro o verdadeiro que foi desnudado neste livro...O que aconteceu com sua tia? O que fazia em Ribeirão Preto é viva a vida ....
Leiam este cara este livro vale os vinte reais é uma vida uma louca vida para fazer nascer um homem de verdade...
Conheci Edu na Praça Afonso Pena no século passado vendendo sorvete e já era celebrado por nossos amigos.
Lembro dele criticando minha gramática para o Wangi Alves nunca o supero sempre aprendo com ele mesmo quando faz gênero e fala muito de pornografia só para provocar..Gente o sexo é algo sagrado. Mas Edu esta vivo e forte e aguardamos muitas outras obras que o mundo o descubra , mas sem mistificação enquanto ser humano de carne e osso. Edu mande-nos mais de sua poesia marginal ...As margens do infinito?
Beijos que logo te reencontre na praia de Copacabana na nossa São Sebastião do Rio de Janeiro....

João Carlos Faria

Gaia

Literatura, filosofia e arte

Um comentário:

O BEIJO DA SERPENTE ARREPENDIDA disse...

Irmão você também é grandioso,
vejo intenso absoluto crescimento em você em tua amada arte. Admiro tua dedicação à bandeira dos kaóticos. Sei que és um rosnante destruidor de paradigmas: viver não é nada fácil, e se ver e ser cidadão dentro dessa agúda sociedade tornou-se um desafio mais que humano. Irmão, não esqueci de nada, tudo que vivemos e tentamos viver tremula e continuará tremular por toda a eternidade, porque somos filhos da grande noite e do grande dia, arteiros selvagens em estado de reconstrução/putrefação, e não abrimos patas de assim o ser. Obrigado por tuas palavras vivas e mortas. Aqui vos fala apenas o homem, que caga... que abre a janela pra tentar encontrar o pão e o sol. Nascemos mesmo para vomitarmos livros e outros setembros, andar nu com a lente aberta para a extrema visão. Assim viveu e não morreu o trágico romantico Glauber Rocha, ser farol, lanterna que nos guia, evitando assim que pisemos nos que ainda estão mortos (desconfio que deve ser melhor pisar). A morte é certa, a vida é errada, e por ser errada que nos fascina. Eu quero mesmo é errar, ferder diante do portal da arrogante inteligencia.

Beijos

EDU PLANCHÊZ