sábado, 16 de agosto de 2008

Exposição requenguela ocupa três andares do Itaú Cultural

A idéia era interessante.
Uma exposição eletrônica interativa.
Numa sala, quatro carpas dentro de um aquário que alteram o som da música e você pode colocar o seu próprio mp3 para brincar com as carpas.
Noutra sala, uma estante de livros falsos. Quando você pega o livro, uma voz começa a dizer um texto, que também sai nos auto-falantes.
Depois, numa outra sala, há várias caixas acústicas com sensores de som para você ficar brincando ao ter sua voz alterada e repetida pelas caixas de várias maneiras diferentes.
Mais a frente, um monitor em que palavras ficam passeando pela tela. Você vai clicando nas palavras e formando frases que são emitidas também por caixas acústicas.
Logo ali tem um robô que faz desenhos sozinho.
E finalmente, um programa de computador em que você cria um monstrinho, faz um video e manda direto para o YouTube.

Até aí, tudo bem. O problema é que os criadores das obras se esqueceram de uma lei muito importante: A Lei de Murphy. Quando algo tende a dar errado, vai dar.

As carpas estavam morrendo de fome e não saiam do lugar. Quando colocamos nosso próprio mp3, não funcionou.
Várias pessoas abrem livros ao mesmo tempo e fica uma balbúrdia incompreensível de sons.
Os sensores de som também custam a funcionar. Eu gritei, berrei, bati palmas e não saiu nada nas caixas. Saí da sala falando um palavrão. Mas o palavrão foi captado e ficou sendo repetido dentro da sala por quase um minuto, de várias formas diferentes.
Na seção em que há o monitor em que você cria palavras, há também dois monitores no chão. Eu e meu filho subimos em cima dos monitores, achando que poderíamos formar frases com os pés, mas um "monitor humano" veio correndo em nossa direção, dizendo que não poderíamos pisar ali.
O suposto robô que faz desenhos sozinho fica apenas rabiscando qualquer coisa sem sentido.
Achei que a brincadeira de montar um monstrinho seria nossa salvação. Mas quando fui conferir o video no YouTube, ficou tão ruim e tão desconfigurado que nem vale a pena postar aqui.

E assim lá se vão três andares do Itaú Cultural até 14 de setembro.

Nenhum comentário: