domingo, 10 de agosto de 2008





O evento Cartografia Literária reuniu, em 2007, nove coletivos de literatura no SESC Consolação. Os encontros foram pautados pelo reconhecimento e exposição de grupos envolvidos em atividades de literatura na cidade de São Paulo, por meio de encontros, entrevistas e saraus, com o propósito de fomentar a convergência de idéias e processos de produção poética e literária. Na esteira das produções literárias capazes de prescindir do mercado editorial ou de criar alternativas a ele, caminhamos em direção à literatura que circula na Internet.

Vivenciamos um momento onde novas maneiras de pensar e de conviver estão sendo elaboradas no mundo das telecomunicações e da informática. Essa constatação, feita pelo filósofo e pesquisador Pierre Lévy, se tornou uma urgente realidade com o advento da Web e a facilitação ao acesso à Internet.

Nada mais pode prescindir da Web. As Artes e a Cultura em geral, e especificamente a Literatura, já não podem virar as costas para a Web e suas ferramentas de criação e interação.

A Web (e especificamente a Internet) chega como um suporte potencial de trocas e já desbanca grandes corporações de informação e editoras; descentraliza o acesso do público a obras e questionamentos literários (e outros) — que antes só poderiam ser acessados via grandes editoras, com esquemas empresariais de distribuição nacional, e órgãos da imprensa com seu jornalismo cultural respondendo a grandes interesses.

Agora qualquer um pode ter um blog, escrever o que quiser, montar seu site, espiar o que amigos e inimigos estão escrevendo, contatar escritores, trocar textos, arquivos, idéias, criar seu e-book.

Há informações que circulando apenas pela Internet já pressionam políticas e governos. Geram novas posturas culturais. Um novo mundo, quem sabe admirável, está sendo criado por esta geração que já domina a linguagem e ferramentas da Web como se fossem um novo abecedário.

Observamos que com a Internet, novos grupos e movimentos são gerados da noite para o dia, com visibilidade exponencial. Além do mais são várias possibilidades ainda inexploradas, ou mal exploradas até então. Se tudo isso não bastasse, com a Internet as fronteiras foram efetivamente abolidas. O muro desabou e ainda não sabemos o que fazer com isso. Mesmo a língua já não é mais uma limitação e sim um rico potencial de troca e assimilações culturais.

Todo grande momento histórico como esse precisa ser pensado e analisado enquanto os rumos ainda estão incertos e os ganhos (e perdas) não foram contabilizados.

Sabemos que a Literatura permeia de algum modo todos os aspectos da Cultura. A Literatura é o espelho — quando não a própria matriz — dos fundamentos essenciais de nossa civilização. Por isso o casamento dela com as possibilidades libertárias e as múltiplas ferramentas que a Web disponibiliza geram a faísca que poderá iluminar toda uma época.

Para discutir este momento histórico propomos este ano o Cartografia Web Literária: uma reflexão sobre os rumos da Literatura com o advento da Web. Os rumos dos conteúdos culturais e informacionais em época de faça-você-mesmo.

As várias mesas de discussão e apresentações que acontecerão durante a semana do Cartografia, contarão com uma parcela bem representativa dos protagonistas e mentores deste processo no Brasil. Profissionais, pesquisadores, editores, escritores, blogueiros, artistas multimídia, webdesigners, acadêmicos, pesquisadores na área de web arte, performers, poetas multimeios, músicos, professores, internautas e o público em geral estarão trocando experiências, questionando e repensando o próprio fazer (a poiésis) deste momento tão instigante.



Os Curadores




***




Era Nova

Por Paulo Franchetti





A web veio para ficar. Um dos seus maiores trunfos é a ausência de barreiras alfandegárias. O recorte da distribuição dos textos não é mais geográfico, mas lingüístico. Com os programas de inclusão digital patrocinados pelas empresas e pelos governos, o acesso à web tende a se tornar tão generalizado quanto a instrução básica. Já agora, o baixo custo da publicação, a facilidade do acesso à informação, a mensurabilidade da resposta dos leitores, a precisão dos mecanismos de pesquisa e a voracidade por novos conteúdos que caracterizam a web têm causado impacto na produção, na circulação e no consumo de textos literários. Uma grande massa de textos invade as caixas postais e transborda de blogs, listas de discussão e sites pessoais. A vida literária experimenta uma nova era: grupos, revistas, fofocas, rivalidades, polêmicas, o marketing dos amigos, o automarketing — tudo se projeta fácil e eficientemente no hiperespaço. Constroem-se identidades literárias puramente virtuais. O plágio corre solto. Nasce a "erudição de internet", na criação como na crítica. Modas e autores surgem e somem como bolhas. Ao mesmo tempo, a web ocupa o lugar deixado vago ou recusado pela mídia impressa ou pela TV: um grande poeta dá uma entrevista a um site e uma geração inteira pode ouvir e ver o que já não se ouve nem se vê na televisão, nem nos grandes veículos da imprensa de massa; poemas notáveis e textos críticos de peso aparecem já primeiro no espaço virtual para só depois conhecerem o gosto do papel; romances e poemas de autores de várias épocas se oferecem gratuitamente em várias línguas; textos críticos do passado ficam ao alcance dos dedos; tradutores on-line facilitam a leitura dos estrangeiros.

Como, frente a essa enorme multiplicidade de facetas e eventos, não pensar seriamente o significado da web para o presente e o futuro da literatura? E, sobretudo, como ter uma opinião simples e unívoca? Como ser apenas eufórico, face a uma mudança cujas conseqüências podem ser terríveis para o mundo da cultura, tal como o conhecemos? Como, em suma, relegar a urgência dessa reflexão, em nome da nostalgia de um tempo em que o mundo da cultura era de papel, de pedra e de tinta? Não há retorno. Este texto mesmo nasceu para a web e nela vai circular em primeira mão.

índice



* as zonas de exclusão do mercado literário e o papel da internet

12 terça 19h



Na primeira noite do evento, escritores e intelectuais de várias regiões do país debaterão sobre o mercado editorial brasileiro e as dificuldades para a inserção de autores que não publicam ou não transitam pelo eixo sul (onde há a concentração de capital, editoras e empresas de distribuição). A Internet veio reconfigurar a cartografia literária brasileira? Em que sentido a Internet contribui para o fortalecimento e fomento da Literatura? A qualidade das criações literárias foi influenciada de alguma maneira pela Internet?



Debatedores:

Heloisa Buarque de Holanda [pesquisadora e curadora] – RJ

Fabrício Carpinejar [poeta e blogueiro] – RS

Carlos Emílio C. Lima [ficcionista e editor] – CE

Vicente Franz Cecim [poeta] - PA

Raimundo Carrero [ficcionista e professor] - PE



Mediador: Edson Cruz [poeta e editor do portal Cronópios] - SP



Encerramento: Leitura de textos com os escritores e Performance apresentada por Lúcio Agra



* publicação e distribuição da literatura em tempos digitais

13 quarta 19h



A segunda noite recebe escritores e editores que começaram, ou firmaram sua escrita e interferência no meio literário, em blogs, sites ou coletivos de literatura. Quais os caminhos da publicação e da distribuição da literatura em tempos de Internet e a importância de sites e blogs na trajetória de autores, iniciantes ou não, serão os temas do debate. Haverá telões onde os sites e blogs poderão ser mostrados e comentados.



Debatedores:



Clarah Averbuck (http://adioslounge.blogspot.com/)

Ana Paula Maia (http://killing-travis.blogspot.com/)

Cardoso (André Czarnobai)(http://qualquer.org/salsbury/ )

Artur Rogério NÓS PÓS coletivo de Recife (www.nospos.blogspot.com)

Trindade Lima, editor do VERBO 21/BA (http://www.verbo21.com.br/)



Mediação: Fabrício Carpinejar (poeta e blogueiro, http://www.fabriciocarpinejar.blogger.com.br/)



Encerramento: Leitura de textos e discotecagem com DJ Malásia



* interfaces da literatura na web

14 quinta 19h



A terceira noite do Cartografia contará com criadores e especialistas nas ferramentas e recursos agregados aos conteúdos de literatura na Internet. Todos os debatedores possuem contribuições relevantes e destacam-se na área com trabalhos apurados tanto técnica quanto esteticamente. A discussão girará em torno das interfaces em meio eletrônico — o diálogo com as artes plásticas, música, HQs, animações. O diálogo da literatura com outras artes ganha maiores contornos na Internet?



Debatedores:

André Vallias, poeta e editor do ERRÁTICA/RJ (http://www.erratica.com.br/)

Pipol, webpoeta e editor do PORTAL CRONÓPIOS/SP (http://www.cronopios.com.br)

Mardònio França, poeta e editor do CORSÁRIO/CE (http://www.corsario.art.br/)

Fábio Oliveira Nunes, poeta multimídia e co-editor do site Artéria 8/SP (http://www.arteria8.net).



Mediação: Lucio Agra, professor e performer (http://www.myspace.com/lucioagra)



Encerramento: Apresentação de André Vallias com vídeo-poemas e traduções.



* apreciação e crítica dos conteúdos de literatura veiculados na internet

15 sexta 19h



A última noite de debates contará com a participação de acadêmicos e editores-poetas de publicações eletrônicas que circulam e ganharam o respeito das universidades, estudantes, professores e escritores. A discussão passará pelo olhar da comunidade científica e acadêmica sobre os conteúdos gerados e veiculados na Internet. Há a possibilidade de uma crítica confiável, estabelecida coletivamente, sobre os conteúdos da própria internet. O volume de acessos e as ações colaborativas são balizadores da qualidade de um site, ou de uma tendência contemporânea para geração democrática do conhecimento?



Debatedores:



Ivan Marques (doutor em literatura brasileira e professor da Universidade de São Paulo; foi diretor do programa Entrelinhas) (www.cronopios.com.br/tvcronopios/conteudo.asp?id=37)

Paulo Franchetti (professor e diretor da editora Unicamp) (http://www.unicamp.br/~franchet/)

Márcio-André, editor da CONFRARIA/RJ (http://www.confrariadovento.com/)

Linaldo Guedes editor do CORREIO DAS ARTES/PB (www.cd-artes.blog.uol.com.br)

Floriano Martins editor da REVISTA AGULHA/CE, http://www.revista.agulha.nom.br/]



Mediadora: Leda Tenório da Motta (Professora no Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC SP, pesquisadora do CNPq, crítica literária e tradutora.)



Encerramento: Márcio André apresenta uma roldana de palavras-poesia-máquina de desautomatizar munido de vozes, violino e outros objetos sonoros.



* Sarau Cartográfico

16 sábado 15h



Participação de autores, blogueiros, internautas, convidados, Djs, performers, poetas, editores. Leituras e bebericagem.



Todas as mesas terão transmissão Ao Vivo pela TV Cronópios e poderão ser acompanhadas pelo Portal Cronópios (www.cronopios.com.br). Além disso, o portal disponiblizará um CHAT para você enviar suas perguntas para a mesa em tempo real. Fique conectado!





Curadoria do Cartografia Web Literária-2008

Francis Manzoni (SESC Consolação)

Edson Cruz (Cronópios)





Endereço:



rua Dr. Vila Nova, 245, 3º andar
Vila Buarque
São Paulo - SP 01222-020
mapa de localização

telefone: 11 3234-3000
fax: 11 3256-2223

Nenhum comentário: