sexta-feira, 3 de abril de 2009

Soneto da Esta (tal) Liberdade

Como é transitório o meu amor pela liberdadeDiante de todos os preceitos éticos e moraisSou um racional dirigido por certos ideaisQuando penso que existo logo me perco na saudadeQue loucura é sonhar ser livre nesta sociedadeSe tudo não passa de uma competição globalizadaAonde me refúgio desta consciência informatizada?Se tenho apenas a palavra em minha expressividadeEste sistema mecanicista suicida a nossa humanidadeO que devo então esperar desta tal realidadeSe os meus sentimentos poéticos são todos desconhecidos!Pra quê me lamentar se o que existe não ressuscita a mudançaPareço ser o eterno adeus de uma ínfima esperança!Esta (tal) liberdade que tanto balbucia no meu sonho adormecido

São José dos Campos, 3 de abril de 2009

Poeta Almendanha

Nenhum comentário: