quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Desde o tempo da Arcádia

Dedicado a Cassiano Ricardo ...

Joca Faria

Por estes dias ando a encontrar amigos das mais variadas formas e agora me sobra o tempo necessário para falar de meus amigos. Não me sobra tempo necessário para ler meus livros , mas como filosofou Marcelino Freire devemos estar primeiro com as pessoas e depois dedicar a livros e obras...
A obra passa os amigos não á vida passa amigos não. Somos sempre velhas recorrências desde a Velha Arcádia todos num emaranhado de teias de aranha. Até aquele casal FRANCES Tupiniquim. Mas que bate uma saudade bate... Ex amigos numa eternidade cruel... Agora Gal Costa canta Tigresa do papai Caetano Veloso.
Caetano ainda me encanta com seu canto. E Gal vai e vou também ... Hoje tem exposição de Andressa Carvalho , mas quero meu tempo para mim e para você leitor...Tá me faltando tempo para ganhar dinheiro para poder viver e não sobreviver.
Hoje li alguma coisa de Jeremias Sem Chorar de Cassiano Ricardo o mesmo que há alguns anos mandei enterrar. Na minha verve ácida e agora peço desculpa se é que se pede desculpa de atos passados. Talvez eu grave um dos livros dele estou na pesquisa para me redimir com este mestre.
Cassiano esta fora das livrarias cadê o Mec ? A Academia Brasileira de Letras ? O Ministério da Cultura? A Secretária de Cultura do ESTADO ? E a TV Cultura?
Não sei nunca sabemos deles. Eles não têm tempo. Cabe a aos artistas fazerem e ao sistema estabelecido barrar. Com suas bárbaras leis ... Doces são os bárbaros nesta nação chamada Brasil.
Cassiano em Jeremias sem chorar fala do começo desta era de consumo e gastos tolos. Da guerra fria. Estamos numa época sem razoes e ler e reler estes artistas nós dá um norte.
Cadê a cidade? Que cidade...? Uma cidade entupida de drogas de prostituição e falta de amor sincero...Somos tremendamente ocidentais em nosso declínio. Cadê Pasárgada ... Cadê a balsa... Jeremias sem chorar ... Mas chora em quartos mofados... Perdemos o rumo o plumo?
Porque somos tão alienados? Ouço Gal ... Ouço Chico , mas a sujeira de Edu Planchez a sonoridade de Déo Lopes me comove... eles me falam de meu tempo...Que tempo ...?

João Carlos Faria

Editora Pasárgada

http://www.youtube.com/watch?v=-l6uR9Q3Ozw

Um comentário:

cimatti disse...

certa vez uma jornalista, ao entrevistar, jorge luiz borges em sua biblioteca, lhe perguntou se ele não sentia falta de amigos. ele pensou alguns segundos, apontou para os livros ao redor e disse: "Estes são meus amigos. meus imortais amigos".