sábado, 7 de novembro de 2009

A descarga necessaria de cada dia.


Joca Faria


Vivemos numa época estranha onde todos nós só sabemos criticar ao próximo avaliar os defeitos dos outros. E esquecemos de nosso argueiro. Nossas traves a internet está ai balancemos esta rede espalhando soliedariedade.
Eu também em meus textos caio neste senso comum. Epa ai vai a influencia de meu curso de Pedagogia que estou curtindo muito em fazer.
Reclamamos de governo. Xingamos nosso prefeito e a nossa torta parte só fica nos impostos?
Temos mil desculpas para não enovar em nossas vidas privadas e nunca damos a descarga necessária.
Sempre vamos ao mesmo lugar. Pelo mesmo caminho sendo tantas as opçoes de caminhar aprendi isto com uma professora na quinta -série e nunca mais esqueci.
Por isto retomo uma caminhada que faço em São Francisco aos Domingos acho muito mais sádio que virar a noite tomando cerveja nos bares da cidade.
E mais em conta. A vida cotidiana é onde está o maravilhoso o divino vi isto num video hoje a tarde. Meio morrendo de sono nesta deliciosa modorra de primavera.
Me veio a cabeça os livros que li de Gabriel Garcia Marques já li dois livros deste mestre da escrita. Memoria de minhas putas tristes e outro titulo que ainda não me vem a memória.
Como faz bem ler um romance ou um bom filme. Preciso replanejar o tempo que tenho ando a fazer uma hora de caminhada cada dia um caminho contado no relógio. O peso sempre o mesmo os atuais 90 kl que dureza.
Aos poucos devo emagrecer tenho fé em mim mesmo. E o que nos falta hoje em dia termos fé em nos mesmos. Rasguemos nossos livros de auto ajuda e voltemos a boa e velha literatura também devemos achar aos novos sem deixar os clássicos para traz.
Minha pilha de livros nunca acaba sempre tenho bons livros a ler e os leio dei uma entorronpida em Brida de Paulo Coelho não tenho nenhum preconceito em relação a este autor.
Não é um clássico um Cervantes mas é a escrita de hoje. Assisti a um documentário sobre Julio Verne o qual li muitos livros na adolecencia o cara era Best Seller no século dezenove e não teve uma vida tão conturbada assim ele criou a fcção cientifica e lia Edgar Alan Poe um grande mestre que preciso reler.
Pois sempre reenterpletamos um livro uma música um poema amanhã é domingo.
E irei caminhar rumo ao abismo.
Mas a vida é cheio de ABISMO precisamos aprender a voar. E salteremos. Seremos pássaros longe bem longe das gaiolas. Em casa a trés tento soltar mas não me deixam.
Um dia eles fugirão. Ontem vendo um pedaço do reporter Record vi uma bela imagem de um ritual inca para um jantar. As mulheres matando os animais e depois rezando para eles.
Ó como estamos distantes do divino neste mundo de Matrix ... Vou é arrumar uma rede achar uma arvore e deitar numa tarde calorenta e dormir para criar minhas histórias.
Quando sonhamos temos várias histórias que estamos vivendo eu nesta tarde após as seis horas era um tipo heroi e bandido ao mesmo tempo. Derrepente criava presentes para as pessoas e ai acordei. A avenida esta silenciosa neste fim de Sábado... Algumas pessoas dormem e outras escrevem. Como é delicioso escrever a noite. Vou criar esta hábito no mais aos leitores um bom domingo que se os anjos amem disserem estarei numa cachoeeira qualquer em plena Serra da Mantiqueira onde um dia terei minha casa em forma de vagina.
Beijos incendiarios neste noite de um sábado que se finda ...

João Carlos Faria

Editora Pasárgada

jocafaria@yahoo.com.br

12 9113 54 17

Nenhum comentário: