sábado, 9 de janeiro de 2010

Inevitavél Céu




Joca Faria



Cheiro meus desejos numa tarde de calor durmo e sonho com teu corpo sobre o meu num estúdio global. Ouço e pesquiso Sutiã Cinza um titulo de uma música de Léo Mandi um jovem cantor e compositor Brasileiro.

Desfruto-te num sonho. Eu mesmo me aviso e perco a batalha. Falta – me as virtudes meus eus de lúxuria estão á flor da pele. E não adianta se arrepender ou chorar o leite derramado. O lance e seguir em frente. E nada como escrever este texto já ajuda. Mas num sábado á noite ás vezes ficar quieto e melhor que circular?

Aqui em Sampa não há uma praia. Nunca faria uns versos falando de praia deixo o vento no litoral para a Legião Urbana.

Ouvir o batuque de Léo Mandi me inspira o convidarei para meu próximo cd solo. Não sei quando nunca sabemos estamos ai vivo? Artistas a navegar no oceano da ilusão de um mercado cultural fechado para nós? Não devo ter o talento suficiente para receber um convite? Vamos à marginalidade que anda nos circuitos oficiais de arte. Esta cidade não ama ninguém. Esta cidade esta um deserto de filosofia. Este pais é um deserto ...

Ir ao centro num sábado de manhã e um convite a solidão. O que será das novas safras de artistas deste pais deserto?

Tó fora. Quero uma passagem só de ida para Pasárgada. Queria nunca mais pisar neste solo, mas meu sangue, suor ama esta cidade que me odeia. E agora segundo um poeta Sou uma persona não grata. E daí ???

Sempre o fomos isto não me aflige. Quero e te possuir na noite estrelada da Serra da Mantiqueira.

Quando morrer que minhas cinzas se espalhem Mantiqueira afora. Enquanto isto tenho muito texto para gerar desejos. Pois enquanto escrevo acho que faço alguma coisa. E ainda mais ouvindo a sonoridade de Léo Mandi.

E falar de Léo Mandi sem lembrar-se de Reginaldo Poeta Gomes é meio estranho eita cabra da peste.

E assim caminhamos pela cidade por este imenso pais deserto. Nada acontece se ficarmos em frente á telinha de um computador. A TV anda desligada...

Vamos em frente ... Vamos em busca de um tempo inexistente...



João Carlos Faria

Editora Pasárgada

Nenhum comentário: